PORDATA disponibiliza dados da EUROPA

A partir de agora, em http://www.pordata.pt/, todas as pessoas podem aceder de forma gratuita a dados que caracterizam Portugal. O Pordata permite comparar-nos com outros 31 países do espaço europeu, em vários períodos históricos. Esta é uma das principais características do Pordata fornecer informação desde 1960, sempre que possível.

Sempre que existam dados disponíveis, poderá consultar informação estatística referente a todos os  países da União Europeia e dos restantes países do Espaço Schengen, assim como dos Estados Unidos e do Japão.

CURIOSIDADES PORDATA EUROPA

  • Cada trabalhador português, por cada hora de trabalho, produz pouco mais de metade (56%) da média da zona euro;
  • Desde 1990, Portugal envelheceu mais do que a média dos países da União Europeia (UE) a 27;
  • A quantidade de estrangeiros a trabalhar em Portugal, em relação ao total da população activa, é das mais baixas da UE;
  • Número de estrangeiros residentes em Portugal diminuiu 0,8 por cento entre 2008 e 2009 para cerca de 443 mil pessoas, contrariamente ao que sucedeu em Espanha, onde a população residente estrangeira aumentou 7 por cento ultrapassando os 5,6 milhões;
  • A taxa de abandono escolar precoce em Portugal é das maiores da UE;
  • Os portugueses gastam em tabaco, bebidas alcoólicas e narcóticos quase metade que os gregos;
  • Em 2008 emigraram mais portugueses do que romenos;
  • Portugueses, italianos, lituanos e romenos são, na UE, os que menos gastam em tempos livres e cultura.
A direcção do projecto está a cargo de Maria João Valente Rosa e a principal fonte de informação é o Eurostat.

_______________________________

Esta base de dados pode ser integrada como recurso útil no que diz respeito à aquisição e desenvolvimento de competências nas seguintes áreas:

  • Cidadania e Profissionalidade ( CP);
  • Sociedade Tecnologia e Ciência ( STC ).
Posted by, Rosário Santos

Relatório sobre a Situação da População Mundial 2010 – “Do conflito e crise à renovação: gerações da mudança”

 

O relatório do UNFPA – “Do conflito e crise à renovação: gerações da mudança” – vincula paz, segurança e desenvolvimento com os direitos e empoderamento das mulheres. Este documento teve como base a resolução 1325 do Conselho de Segurança das Nações Unidas.

As mulheres têm uma grande capacidade em superar cenários de conflito armado ou desastres naturais e são uma ajuda importante na fase de renovar e reconstruir as sociedades.

Estas são algumas das principais conclusões do relatório sobre a Situação da População Mundial 2010, do Fundo das Nações Unidas para a População (UNFPA), divulgado em todo o mundo.

Em declarações à Agência Lusa, Tânia Patriota, a representante do UNFPA para a apresentação do relatório em Portugal sublinhou que “as mulheres quanto têm os direitos e as oportunidades, numa sociedade que as respeita, tornam-se mais resistentes ao desastre e ao conflito”.

Nesse sentido, o relatório pretende transmitir três grandes mensagens:

  • A importância da resistência das mulheres em superar as crises,
  • A importância de se reconstruir as sociedades com a ajuda das mulheres
  • Equidade entre homens e mulheres é uma das bases para uma sociedade que seja protegida ou menos vulnerável à crise.

Segundo Tânia Patriota, o documento mostra “a importância do papel da mulher durante e depois dos conflitos mas também como evitar que os conflitos causem um sofrimento muito profundo às mulheres, como se tem visto na maioria dos países onde as mulheres têm sido as vítimas mais atingidas”.

Convém referir que este Relatório foi elaborado com a ajuda de testemunhos que a UNFPA recolheu no último ano e meio em países palco de conflitos e catástrofes naturais como a Bósnia-Herzegóvina, Haiti, Jordânia, Libéria, território palestiniano ocupado, Timor-leste e Uganda.

Para a próxima década, alguns desafios foram definidos como cruciais:

  • Tornar a reestruturação planetária socialmente sustentável;
  • Acabar com a impunidade dos crimes contra a mulher;
  • Fortalecer o compromisso das nações para conter esse tipo de violência;
  • Promover a valorização e a participação feminina no poder político.

Consulte, aqui, o documento na íntegra.

 

O relatório do UNFPA pode ser integrado como recurso útil no que diz respeito à aquisição e desenvolvimento de competências nas seguintes áreas:

  • Cidadania e Profissionalidade ( CP);
  • Sociedade Tecnologia e Ciência ( STC ).
Posted by Rosário Santos